Como a Fenaban ignorou o prazo oferecido pelo Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, para apresentar uma proposta decente às reivindicações da categoria até as assembleias desta segunda-feira 17, os bancários de todo o país entram em greve por tempo indeterminado a partir desta terça-feira 18 por 5% de aumento real, valorização do piso salarial, PLR maior, mais empregos e fim da rotatividade, melhores condições de saúde e trabalho, mais segurança nas agências e igualdade de oportunidades.

A paralisação foi aprovada nas assembleias realizadas na última quarta-feira 12 pelos mais de 130 sindicatos representados pelo Comando Nacional.

"Foram os banqueiros que empurraram a categoria para a greve. Apesar dos lucros recordes, mesmo maquiando os balanços com o superdimensionamento das provisões para devedores duvidosos, e de premiarem os altos executivos com aumentos reais de 9,7% sobre sua remuneração já milionária, que dará a muitos um ganho anual de R$ 8,4 milhões, os bancos se recusam a atender as reivindicações. Os bancários responderão a essa intransigência com uma greve forte como nos anos anteriores", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional.

"Além de baixar a PLR dos bancários, com a maquiagem dos balanços os bancos reduzem contabilmente o lucro para justificar as tarifas escorchantes e as altas taxas de juros, as maiores do mundo, mesmo com a queda da Selic - além do fechamento de quase dez mil postos de trabalho no último ano", critica o presidente da Contraf-CUT.

A Fenaban apresentou no dia 28 de agosto a proposta de 6% de reajuste, contendo apenas 0,58% acima da inflação, mesmo sabendo que a grande maioria dos outros setores da economia, menos lucrativos que o financeiro, fizeram acordos com aumentos reais bem acima desse índice. O Comando Nacional considerou a proposta insuficiente e esperava uma nova oferta na rodada de negociação realizada dia 4 de setembro, mas os bancos mantiveram-se intransigentes.

Apesar da carta enviada pela Contraf-CUT à Fenaban no dia 5 de setembro, para informar o calendário de mobilização e reafirmar que os trabalhadores apostavam em uma solução positiva na mesa de negociação, até agora os bancos nada responderam nem marcaram nova rodada de negociação.

As principais reivindicações dos bancários

● Reajuste salarial de 10,25% (aumento real de 5%).

● Piso salarial de R$ 2.416,38.

● PLR de três salários mais R$ 4.961,25 fixos.

● Plano de Cargos e Salários para todos os bancários.

● Elevação para R$ 622 os valores do auxílio-refeição, da cesta-alimentação, do auxílio-creche/babá e da 13ª cesta-alimentação, além da criação do 13º auxílio-refeição.

● Mais contratações, proteção contra demissões imotivadas e fim da rotatividade.

● Fim das metas abusivas e combate ao assédio moral

● Mais segurança

● Igualdade de oportunidades.

 

Fonte: Contraf-CUT

Share

Videos

Parceiros


SEDE METASITA

Av. Monsenhor Rafael, 155 - Timirim/Timóteo/MG
CEP.: 35.180-312
Fone: 31. 3849-9101 / 3849-9102
e-mail: secretaria@metasita.org.br

SUBSEDE FABRICIANO

Av.: Magalhães Pinto, 1261 - Giovannini/Cel. Fabriciano
Melo Viana
CEP.: 35170-096
Fone: 31. 3841-3909 / 3846-2039

SUBSEDE IPATINGA

Rua: Diamantina, 259 - Sala: 209 - Centro/Ipatinga
Edificio Galeria Ouvidor
CEP.: 35.160-019
Fone: 3825-8535